Palavras que Edificam: Paciência!

6/28/2016


“Sede vós também pacientes e fortalecei o vosso coração, pois a vinda do Senhor está próxima” (Tg 5.8)

Promessas humanas estão sujeitas a esquecimento, descompromisso ou dificuldades para realizar. Deus está sujeito a estas circunstâncias?

Se há tempo para plantar e tempo para arrancar o que se plantou (Ec. 3-2), e sabemos que a colheita antes do tempo implica em não termos o “fruto” potencialmente maduro, portanto, impróprio para um consumo, por quê nos impacientamos com as promessas de Deus? Não saberia Ele o momento certo para realizá-las?  Seria Deus irresponsável com (ou em) seus feitos?

O plano da Salvação se origina em Genesis (Gn 3. 8-24), é ratificada através de Seus profetas, “porém”, o Verbo se fez carne alguns séculos depois.

Estaria Deus atrasado? Ficou preso em algum engarrafamento espiritual? Perdeu a hora?

Imaginem: “Caramba, estou atrasado para cumprir o Plano da Salvação! Não devia ter cochilado mais um pouquinho depois que meu celular despertou. Também, fui colocar um toque baixo com a voz de Habacuque!” 

Porque desejamos mais do que necessitamos é que vivemos à mercê da mais insidiosa das doenças, a saber, a ansiedade, tornando-nos impacientes.

Claro! Não podemos confundir paciência com procrastinação (Não é fácil ter paciência diante dos que têm excesso de paciência. Carlos Drummond de Andrade), assim como temos que discernir entre perseverança e teimosia.

Paciência, me parece, está relacionada à confiança. Sabemos em quem temos crido? 

Onde estão postos os nossos olhos?

Ao olharmos para os montes, discernimos de onde vem o socorro?

Se continuarmos crendo no monte de dinheiro, de intelectualidade, da fama, entre outros montes, continuaremos impacientes, posto que escravo destas condições nos tornamos. Se concebermos que o socorro vem do Senhor, servos que somos, herdaremos a coroa da vida, e, definitivamente, não há maior recompensa. Afinal podemos tudo (encarar as dores, os traumas, as perdas, etc.) Naquele que nos fortalece
(Glauco da Cruz Gonçalves)